O enfraquecimento dos partidos de esquerda com as eleições municipais

O primeiro ciclo eleitoral realizado após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) marcou um forte baque para partidos identificados como a esquerda no país.

Para especialistas, encolhimento da esquerda seria resultado da crise econômica na gestão petista e escândalos de corrupção

O PT foi o principal derrotado, mas as outras três siglas associadas à centro-esquerda com maior representação na Câmara dos Deputados (PSB, PDT e PC do B) também recuaram no grupo do chamado G-93. Com 26 capitais e todas as cidades com mais de 200 mil eleitores, esses 93 municípios reúnem 38% da população brasileira e as maiores receitas do país.

O PT, por exemplo, tinha 14 prefeituras nesse grupo, mas agora administrará apenas uma - Rio Branco, no Acre. O partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu as sete cidades em que disputou segundo turno neste domingo - foi derrotado, por exemplo, no Recife e ficará pela primeira vez sem prefeitura no ABCD paulista, berço histórico da sigla.

A sigla perdeu as prefeituras de São Paulo e Goiânia, e de cidades importantes em São Paulo como Guarulhos, São Bernardo do Campo e São José dos Campos. No total nacional, o PT foi de 638 prefeitos eleitos em 2012 para 254 neste ano - de 11,2 milhões de eleitores sob sua gestão nas cidades, passará a apenas 1,6 milhão.

"Sensação" da eleição municipal anterior, em 2012, o PSB tinha 11 prefeituras no grupo das maiores cidades, mas saiu das urnas neste domingo com somente seis. Conseguiu manter Recife, Campinas e Palmas, mas perdeu Belo Horizonte, Cuiabá e Porto Velho.

Considerando todos os municípios, o PSB administrará 415 cidades, ante 440 em 2012. Também terá menos eleitores sob uma administração da sigla: 4,7 milhões, contra 6,1 milhões há quatro anos.

O PDT elevou o número total de prefeitos (307 para 335), mas perdeu terreno no G-93: de 12 para quatro prefeituras. Das cinco capitais que administrava, manteve três (Fortaleza, Natal e São Luís).

O PC do B, aliado mais fiel do PT nas gestões Lula e Dilma, teve desempenho semelhante: avançou no total nacional (54 para 81 cidades), porém recuou nos maiores centros (três para uma cidade no G-93). A sigla perdeu cidades importantes como Contagem (MG) e Olinda (PE).
PSOL e Rede

Outras legendas de esquerda com representação na Câmara (PSOL e Rede) tiveram performance modesta no pleito de 2016.

O PSOL perdeu nas três cidades em que disputava o segundo turno - Belém (PA), Rio de Janeiro e Sorocaba (SP) - e ficou com apenas duas prefeituras em todo o país. A Rede elegeu sete prefeitos - entre eles Clécio Luís, em Macapá (AP).

O resultado da Rede, é fruto de sua "incapacidade de articulação". A Rede é o partido que nunca foi. Está sendo punida pela sua própria incapacidade de estruturar candidatos e discurso Brasil afora.
PSDB e PMDB

O segundo turno reforçou o cenário descrito pela primeira rodada da eleição, com o PSDB emergindo como a principal força nas urnas.

Políticos tucanos administravam 18 cidades do G-93, o grupo das capitais e cidades com mais de 200 mil eleitores, e passarão em 2017 apo comando de 28.

O PSDB venceu 14 dos 18 segundos turnos que disputou. Será ainda a sigla a administrar o maior número de eleitores nas cidades (13 milhões) e a maior quantidade de capitais: 7.

O PMDB, partido do presidente Michel Temer, manteve a liderança no total de prefeituras (1.021 em 2012 e 1.038 em 2016), mas administrará menos eleitores (9,5 milhões para 8,1 milhões).

A sigla melhorou seu desempenho no grupo do G-93: 10 para 14 cidades, e gerenciará quatro capitais (tinha duas): Boa Vista, Goiânia, Florianópolis e Cuiabá. Das 15 cidades em que a legenda estava nas urnas no segundo turno, venceu em nove.

Os bons resultados de políticos tucanos são resultado direto do desgaste petista. O PSDB é um dos maiores partidos do país em termos de estrutura em governos estaduais e municipais, e sempre fez nacionalmente o contraditório do PT, então seus quadros nestas cidades acabaram sendo beneficiados pelo desgaste de seus adversários.

O pleito de 2016 reforça a tendência de pulverização do sistema político verificada nas eleições de 2014. Siglas de menor expressão assumirão grandes cidades, como Belo Horizonte (PHS, com Alexandre Kalil), Curitiba (PMN, com Rafael Greca) e Rio de Janeiro (PRB, com Marcelo Crivella).

Ao todo, 13 partidos venceram disputas em capitais, ante dez que hoje comandam essas prefeituras. Há ainda novas legendas no grupo do G-93: PMB (Caucaia, CE), PTN (Osasco, SP), Solidariedade (Olinda, PE), PSC (Cascavel, PR), PHS (BH e Betim, MG) e PTB (Canoas, RS e Anápolis, GO).
Abstenções e inválidos

Os altos índices de votos brancos, nulos e abstenções Brasil afora são um ingrediente importante da eleição deste ano, apontam analistas.

Ao todo, 25,8 milhões de eleitores compareceram às urnas neste domingo, entre 32,9 milhões aptos a votar. Não votaram, portanto, cerca de 7 milhões de pessoas - índice de abstenção de 21,5%.

No Rio de Janeiro, a abstenção chegou a 26,8% (1,3 milhão de pessoas) e houve 569,4 mil votos nulos.

O desinteresse registrado nas sessões eleitorais revela uma aparente contradição. Muitos dos que não votaram fizeram isso porque se desiludiram com a política e esperam uma renovação de valores.

As abstenções e votos inválidos também geram mais uma preocupação para os prefeitos eleitos. Estes prefeitos já têm que lidar com a oposição tradicional, aqueles que defendem seus rivais políticos. Agora eles têm que lidar também com uma 'segunda oposição': o grupo dos indiferentes, que se afastou do processo político.
Com informações: Da BBC Brasil em São Paulo

COMENTÁRIOS

Nome

Artigo Artigos Atualidade Ciências Comportamento Contas Publicas Corrupção Cotidiano Curiosidades Economia Eleições Emancipação Emancipações empresários Entrevista Esporte Futebol Americano Justiça Lava-Jato Municípios Policia Politica Política Politica Internacional Politica Local Previdencia Reforma Politica Reforma Política Saúde Seca Segurança Tragedia Turismo Universo
false
ltr
item
Blog do Farias: O enfraquecimento dos partidos de esquerda com as eleições municipais
O enfraquecimento dos partidos de esquerda com as eleições municipais
https://2.bp.blogspot.com/-vK-t-q_6ceU/WBfs-hE09lI/AAAAAAAADFE/GYkfJddX_pkjqNsvsrR0ghZtTk_O3S8jgCLcB/s640/partidos-689x294.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-vK-t-q_6ceU/WBfs-hE09lI/AAAAAAAADFE/GYkfJddX_pkjqNsvsrR0ghZtTk_O3S8jgCLcB/s72-c/partidos-689x294.jpg
Blog do Farias
http://emancipaceara.blogspot.com/2016/10/o-enfraquecimento-dos-partidos-de_31.html
http://emancipaceara.blogspot.com/
http://emancipaceara.blogspot.com/
http://emancipaceara.blogspot.com/2016/10/o-enfraquecimento-dos-partidos-de_31.html
true
4216968732743182172
UTF-8
Nenhum post encontrado VER TUDO Ler mais Responder Cancelar resposta Excluir Por Home PÁGINAS POSTS Ver Tudo Recomendado pra você ETIQUETAS ARQUIVO SEARCH TODOS OS POSTS Nenhum post encontrado Back Home Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copiar Código Completo Selecionar Código Completo Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não foi possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C com Mac) para copiar