CPI do Cachoeira: Um jogo de perde-perde


A CPI do Cachoeira traz riscos para o governo e a oposição. Preocupados, os partidos buscam acordos para minimizar os prováveis prejuízos da investigação 


Os parlamentares que integram a CPI do Cachoeira reunidos no Congresso.
Cada grupo tenta restringir as investigações por medo de suas consequências.
A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investiga o bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, começou a definir seu rumo. E ele dependerá dos limites impostos pelos partidos políticos, temerosos das consequências da investigação.
Na semana passada, o PSDB planejava convocar o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), para depor na comissão. Cabral tornou-se possível alvo da CPI devido a suas relações próximas com a Delta Construções, empreiteira cujos interesses Cachoeira defendia. Imagens de momentos de lazer de Cabral na Europa ao lado do dono da Delta, Fernando Cavendish, divulgadas nos últimos dias, não ajudaram a dissipar as suspeitas sobre o governador.
O tema, porém, é tratado com cuidado. Após uma reunião, líderes tucanos deixaram o imbróglio Cabral para o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). O PSDB não quer enfrentar o PMDB, partido do governador fluminense. Os tucanos precisarão da ajuda do PMDB para defender um de seus integrantes, o governador de Goiás,¬ Marconi Perillo, suspeito de envolvimento com Cachoeira.
 Além do PSDB, o PMDB fez tabelinha com o PT. Os dois partidos conseguiram empurrar para um futuro distante as convocações do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e de Cavendish, para que deponham na CPI. Os petistas tentam defender Agnelo e, mais importante, não querem dar espaço para que a oposição investigue os inúmeros contratos da Delta com o governo federal.
Até antes da CPI do Cachoeira, PT e PMDB disputavam espaço no governo a cotoveladas. Irritado com a criação da comissão num ano eleitoral, o PMDB inicialmente indicou integrantes menos experientes para a investigação. PSDB e PMDB também não andavam muito juntos. Mas poucas coisas são mais eficazes para unir políticos adversários e formar alianças de ocasião que o risco de uma CPI. Na CPI do Cachoeira, todos os partidos têm razões para ser agressivos, mas acumulam outras tantas para a cautela. De maneira discreta, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, negociam com os senadores do PMDB Renan Calheiros, José Sarney e Romero Jucá uma forma de poupar Cabral em troca da ajuda a Perillo.
As investigações da Polícia Federal apontam diversas ligações entre Perillo e Cachoeira. Perillo encontrou Cachoeira socialmente, recebeu-o no Palácio do Governo e foi dono da casa onde Cachoeira vivia quando foi preso. Mas acordos de paz dependem de armas na manga. O PSDB escalou para a CPI investigadores como os deputados Fernando Franceschini, ex-delegado federal, Carlos Sampaio, promotor, e o senador Álvaro Dias.
No front regional, o governador Perillo aproveitou sua maioria na Assembleia Legislativa de Goiás e criou uma CPI estadual, controlada por seus aliados. Se for atacado na CPI em Brasília, Perillo pode dar o troco em casa. Entre os alvos estão seus adversários: os ex-governadores Iris Resende e Maguito Vilela e os prefeitos petistas de Goiânia, Paulo Garcia, e de Anápolis, Antônio Gomide.
Procurado pelo PSDB em busca de um acordo, o trio Sarney-Renan-Jucá dá as cartas no Senado há anos. É verdade que sofreu alguns reveses recentes – o mais grave deles, a destituição de Jucá do cargo de líder do governo no Senado. Agora, o caminho acidentado da investigação pode lhes abrir diversas oportunidades de recuperar poder. Uma delas é ajudar Cabral. Ele foi envolvido no caso por ser amigo de Cavendish. A Delta recebeu cerca de R$ 1,5 bilhão da gestão Cabral em cinco anos. A empresa de Cavendish é um dos centros da investigação, devido aos milhares de gravações que explicitam como Cachoeira e seu sócio, Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta no Centro-Oeste, discutiam armações para promover negócios da empreiteira.
A proteção à Delta une PMDB e PT, seu parceiro por ofício, mas concorrente na prática. Na semana passada, os dois partidos conduziram os trabalhos para adiar a convocação de Cavendish. É inevitável que a Delta seja investigada. O que PT e PMDB querem é limitar os danos. “Nossa preocupação com a Delta é apurar desvio de dinheiro público”, afirma o senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Os petistas querem a ajuda do PMDB para blindar os contratos da Delta com o governo federal. A empresa é a campeã de obras do PAC: já recebeu R$ 3 bilhões por obras do programa. É também, há três anos, a maior fornecedora do governo federal. Na semana passada, o Ministério Público Federal no Tocantins denunciou Carlos Pacheco, o principal executivo da Delta, por uso de documentos falsos para obter certidões do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA), em Palmas. Em abril, ÉPOCA revelou que a papelada foi usada pela Delta para obter dois contratos com o governo do Distrito Federal – que poderão render R$ 472 milhões até 2015. Pacheco afastou-se da Delta há duas semanas.
Apesar da imagem de despreocupação da presidente Dilma Rousseff, o governo tomou medidas para se precaver caso a Delta desmorone. Nas últimas semanas, a Delta desistiu de grandes obras, como a reforma do estádio do Maracanã. O problema maior está nas obras menores. A maioria é do Departamento Nacional de Infraestrutura Rodoviária (Dnit) e teria de ser repassada a empreiteiras de médio porte. Por isso, há uma articulação em curso para que outra empresa compre a Delta. Segundo o jornal O Globo, o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles busca interessados na empresa.
A CPI do Cachoeira já mete medo porque começou ao contrário: parte de uma extensa investigação feita pela Polícia Federal, não dos próprios parlamentares. Como o que está lá já causou sérios estragos, ninguém quer mexer mais no vespeiro. Por isso, quando surgiram as primeiras ligações do senador goiano Demóstenes Torres (então no DEM, hoje sem partido) com Cachoeira, o Senado se calou. Demóstenes defendeu-se na tribuna e foi aplaudido por 43 senadores, inclusive do PT.
Agora, os partidos precisarão de muito mais que aplausos em sua operação de controle de danos.

COMENTÁRIOS

Nome

Artigo Artigos Atualidade Ciências Comportamento Contas Publicas Corrupção Cotidiano Curiosidades Economia Eleições Emancipação Emancipações empresários Entrevista Esporte Futebol Americano Justiça Lava-Jato Municípios Policia Politica Política Politica Internacional Politica Local Previdencia Reforma Politica Reforma Política Saúde Seca Segurança Tragedia Turismo Universo
false
ltr
item
Blog do Farias: CPI do Cachoeira: Um jogo de perde-perde
CPI do Cachoeira: Um jogo de perde-perde
http://2.bp.blogspot.com/-v_jE5doF7PE/T62kAoKKa0I/AAAAAAAABhI/9zwCT02PwF8/s400/cpi.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-v_jE5doF7PE/T62kAoKKa0I/AAAAAAAABhI/9zwCT02PwF8/s72-c/cpi.jpg
Blog do Farias
http://emancipaceara.blogspot.com/2012/05/cpi-do-cachoeira-um-jogo-de-perde-perde.html
http://emancipaceara.blogspot.com/
http://emancipaceara.blogspot.com/
http://emancipaceara.blogspot.com/2012/05/cpi-do-cachoeira-um-jogo-de-perde-perde.html
true
4216968732743182172
UTF-8
Nenhum post encontrado VER TUDO Ler mais Responder Cancelar resposta Excluir Por Home PÁGINAS POSTS Ver Tudo Recomendado pra você ETIQUETAS ARQUIVO SEARCH TODOS OS POSTS Nenhum post encontrado Back Home Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copiar Código Completo Selecionar Código Completo Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não foi possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C com Mac) para copiar