O fim dos Partidos Políticos



CRONICA
A criação dos “governos de coalizão”, última invenção do capitalismo de gestão neoliberal, incorporou a apropriação dos recursos públicos, por meio da corrupção, do superfaturamento e da espúria relação entre publico e privado. Este novo tipo de gestão governamental trás embutido um rebaixamento da identificação ideológica ou partidária. 
A gestão de resultados e o pragmatismo das urnas não comportam partidos ideológicos, pois as contradições tendem a se revelar mais profundas e insolúveis. Vários são os exemplos tanto na política nacional como nos países sul-americanos onde partidos de tendências de esquerda se encontram em dificuldades diante das políticas executadas por seus executivos.
O “governo de coalizão” reflete uma perda de confiança na possibilidade de alterar o modelo capitalista, uma retroação das utopias modernas e a valorização absoluta da ideia de que é necessário ganhar o poder político para alterar o modelo.
Seguindo este pensamento e a baixa mobilização social os partidos programáticos preferem garantir a vitória nas urnas em detrimento dos seus programas fundantes. Por detrás desta atitude contraditória existe um receio de perder as eleições e a crença de que quanto mais ampla a aliança partidária maior a possibilidade de captar votos. Esta opção não diferencia partidos “consequentes” dos de aluguel. Dessa forma, o candidato ou a candidata eleita como chefe de governo se compromete com o fisiologismo, mas não respondem pelos seus desmandos.
As chapas “puro sangue” ou a coalização de poucos partidos que prevaleceram durante a primeira década pós-1985, deram lugar a alianças partidárias com número excessivo de partidos. Esta prática contribuiu para minar a baixa coloração ideológica dos partidos transformando-os em departamentos burocráticos, com pouca responsabilidade republicana.
Os desmandos de um “governo de coalizão”, poucas vezes, são de responsabilidade do/a presidente da República ou chefe de governo. A corrupção não é uma fatura que se cobra do Palácio do Planalto. O cargo do renunciante é do partido que compõe a coalizão, não do Presidente.
A aliança da Dilma&Temer “Para Brasil seguir Mudando”, foi composta de dez partidos: PT, PMDB, PRB, PDT, PTN, PSC, PR, PTC, PSB e PCdoB. A coalizão do Serra&Índio “O Brasil pode Mais” se compôs de sete partidos: DEM, PSDB, PTB, PPS, PMN e PTdoB. Há uma máxima política de que há uma aliança para vencer e outra para governar. Mas, as confidencias de bastidores durante a campanha cria uma cumplicidade que é difícil de romper após da vitória.
Para manter a arquitetura dominante da era do capitalismo pós-industrial criaram-se esses mal explicados “governos de coalizão”. Uma invenção que visa acabar com os partidos ideológicos. Intenta retirar do cenário político a concepção de luta de classes. Esta manobra dos ideólogos do fim da história é uma tentativa frustrada de resolver a contradição entre capital e trabalho, por meio de um artifício de gestão eleitoral. Nesta nova moda de gestão os partidos de aluguel voltaram a ocupar lugar no Estado ao se infiltrarem nas amplas alianças que se formam às vésperas das eleições.
Carlos Guilherme Motta escreveu que a geração dos anos 70 vislumbrava um futuro melhor, pelo menos “liberal-democrático decente”, mas “não esperávamos que viéssemos a desembarcar em uma república de aspones pendurados no Estado”. O “governo de coalizão” repudia a democracia plena e recepciona os neolobistas. Por isso, uma das responsabilidades da sociedade civil é combater este tipo de governo e recuperar a responsabilidade do Executivo sobre os rumos das políticas públicas e da ética republicana.
Os partidos e suas coalizões estão sendo ultrapassados pela história e precisam se atualizar e voltar a debater com a sociedade os seus programas de partido e de governo. As instituições democráticas não estão correspondendo às necessidades da sociedade e, assim, estamos transitando por um período pós-institucional onde é preciso reformular a estrutura e as funções do Estado.
O sociólogo português, Boaventura de Sousa Santos, declarou que está surgindo um novo desafio de articulação política europeia. Até então havia uma relação entre partidos+movimentos sociais organizados. Agora, setores sociais não organizados entraram em cena, como os “indignados” na Espanha, as passeatas e marchas convocadas por meio da internet, twiter, facebook, e ouros meios, sem nenhuma dependência de partido ou instituição. Estas novas formas de mobilizações extrainstitucionais pressionam os governos de fora para dentro. Assim, é necessário, igualmente, rever os conceitos de sociedade politizada e não politizada.
Estas manifestações que estão ocorrendo nos países centrais do capitalismo começam a chegar aos países periféricos, como o Brasil.
As contradições do modelo capitalista não estão encontrando saídas satisfatórias ao próprio capital. Se os partidos políticos não encontrarem uma alternativa pós-capitalista entrarão em uma via de fracasso abrindo caminho aos partidos de direita ou conservadores que aprofundarão o neoliberalismo. Esta política que restringe os direitos humanos e empobrece a população tende a radicalização dos protestos que serão combatidos de forma repressiva pelas instituições repressivas do Estado.
Edélcio Vigna, assessor do Inesc, Historiador e Cientista Político.

COMENTÁRIOS

Nome

Artigo Artigos Atualidade Ciências Comportamento Contas Publicas Corrupção Cotidiano Curiosidades Economia Eleições Emancipação Emancipações empresários Entrevista Esporte Futebol Americano Justiça Lava-Jato Municípios Policia Politica Política Politica Internacional Politica Local Previdencia Reforma Politica Reforma Política Saúde Seca Segurança Tragedia Turismo Universo
false
ltr
item
Blog do Farias: O fim dos Partidos Políticos
O fim dos Partidos Políticos
http://1.bp.blogspot.com/-p0DTXCt7ogc/Tpi804bBRWI/AAAAAAAAAkk/WvjrfnlBSS8/s400/partidos.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-p0DTXCt7ogc/Tpi804bBRWI/AAAAAAAAAkk/WvjrfnlBSS8/s72-c/partidos.jpg
Blog do Farias
http://emancipaceara.blogspot.com/2011/10/o-fim-dos-partidos-politicos.html
http://emancipaceara.blogspot.com/
http://emancipaceara.blogspot.com/
http://emancipaceara.blogspot.com/2011/10/o-fim-dos-partidos-politicos.html
true
4216968732743182172
UTF-8
Nenhum post encontrado VER TUDO Ler mais Responder Cancelar resposta Excluir Por Home PÁGINAS POSTS Ver Tudo Recomendado pra você ETIQUETAS ARQUIVO SEARCH TODOS OS POSTS Nenhum post encontrado Back Home Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copiar Código Completo Selecionar Código Completo Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não foi possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C com Mac) para copiar